Pages

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Temer desafia: “renunciar seria admissão de culpa, por isso não deixarei o governo”

O presidente Michel Temer concedeu entrevista nesta segunda-feira ao jornal Folha de S.Paulo. Nela, anunciou que não irá renunciar ao cargo, mesmo em meio ao atual cenário político. Afinal, afirmou que o ato representaria uma confissão de culpa. Ainda durante entrevista, foi taxativo: "Se quiserem, me derrubem".
Leia abaixo os principais trechos da entrevista aos editores Fábio Zanini e Daniela Lima e à repórter Marina Dias. 
Temer: Tenho demonstrado com relativo sucesso que o que o empresário fez foi induzir a uma conversa. Ouça a íntegra do áudio
Temer: Conheço o Joesley de antes desse episódio. Sei que ele é um falastrão, que  se jacta de eventuais influências. E logo depois ele diz que estava mentindo.
Folha: Não é prevaricação se o sr ouve dentro da sua casa um empresário relatando crimes?
Temer: Você sabe que não? E ouço muita gente, e muita gente me diz as maiores bobagens que eu não levo em conta. Confesso que não levei essa bobagem em conta.
Temer: Eu fiquei sem graça de não atendê-lo
Folha: Por que não estava na agenda (encontro)? A Lei manda.
Temer: Até pode-se dizer, rigorosamente, deveria constar da agenda. Você tem razão.
Folha: Foi uma falha?
Temer: Foi, digamos, um hábito
Temer: eu nem sabia que ele (Joesley) estava sendo invetigado
Folha: Um assessor do senhor foi filmado correndo com uma mala de dinheiro...
Temer: ..foi tudo montado
Folha: A imagem dele correndo não é montagem
Temer: [irritado] não pera aí, eu vou chegar lá
Temer: Ele é um homem, coitado, de boa índole ( deputado flagrado carregadndo uma mala de R$ 500 mil)
Temer: Agora, mantenho a serenidade: eu não vou renunciar, se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa
Temer: Chamou a atenção de todos a tranquilidade com que ele [Joesley] saiu do país.
Temer: Contaminado por esse fatos? não me contamina, não.  Aliás, eu tiro o "se". Porque eu vou continuar.
Folha: Qual a culpa que o sr. tem?
Temer:Ingenuidade. Eu fui ingênuo ao recebe uma pessoa naquele momento
Folha: Empresário grampeador?
Temer:Mas qual o título que ele tem de ter? Coitadinho, ele tem de ter vergonha disso.
Folha: O Rocha Loures não é um João da Silva
Temer: [irritado] Eu sei, você está insistindo nisso
Folha: Até que ponto vale a pena continuar sem força política para aprovar reformas e com a economia debilitada?
Temer: [irritado] Isso é você que está dizendo. Eu vou revelar força política precisamente ao longo dessas próximas semanas com a votação de matérias importantes.
Folha: Em quanto tempo o sr. acha que reaglutina a base?
Temer: Não sei se preciso reaglutinar
Folha: Essa crise atrasou quanto a retomada da economia?
Temer: Tenho que verificar o que vai acontecer nas próximas semanas.
Folha: Como o sr. está sentindo a repercussão de seus dois pronunciamentos, mais incisivos?
Temer: Olha, acho que eles gostaram desse novo modelito [risos]. As pessoas acharam que "enfim, temos um presidente".

Nenhum comentário: