Pages

terça-feira, 15 de março de 2016

Entidades denunciam adjunto da STTU por fraude e indícios de corrupção na Prefeitura

A gestão do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) está sob suspeita de corrupção. Entidades estudantis decidiram denunciar o secretário adjunto da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), Clodoaldo Cabral, por participar de um suposto esquema fraudulento na emissão de carteiras estudantis com indícios de corrupção na Prefeitura.

Segundo a denúncia, Clodoaldo Cabral teria sido decisivo para a gestão Carlos Eduardo ter decidido renovar um “convênio fraudulento” firmado ainda durante a gestão Micarla de Sousa, entregando a UNE e a UBES a emissão das identidades estudantis eletrônicas. O documento jamais foi divulgado, assim como não teria sido feita qualquer concorrência para a escolha das entidades.

Além disso, desde o início da parceria entre a Prefeitura até hoje, nunca foi divulgado o valor repassado pela capital potiguar para a UNE e UBES. Isso sem contar a ocultação do convênio e das regras do mesmo.

Clodoaldo também estaria atuando, nos últimos anos, para colaborar com o Seturn no sentido de bloquear carteiras estudantis. O objetivo seria forçar os estudantes a pagarem a passagem de ônibus inteira, aumentando de forma considerável a arrecadação do transporte público em Natal pelas empresas de ônibus.

Agora, surpreendentemente, o adjunto da STTU, antes conhecido por sua defesa em torno da identidade estudantil gratuita, tem se destacado como defensor do documento emitido pela UNE e UBES, o mais caro do Estado, com o custo de R$ 25,00. E tem ido além, com tentativas de amedrontar diretores de escolas da capital para evitar que outras entidades também possam emitir seus documentos, conforme recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Toda a Natal já percebeu que o adjunto da STTU, Clodoaldo Cabral, tem atuado mais em defesa dos interesses das empresas de ônibus do que da sociedade. Muitos acham que ele é mais funcionário do Seturn do que da Prefeitura, na verdade. Então, é preciso esclarecer qual é a relação dele com as empresas, porque indícios de irregularidades há, e de sobra”, disse o presidente da URNE, Romualdo Teixeira.

Na ação das entidades contra Clodoaldo, as instituições enumeram alguns questionamentos ao auxiliar do prefeito Carlos Eduardo, como a publicação do convênio para a emissão das carteiras por parte da UNE e UBES, os custos para a Prefeitura dessa parceria e qual a justificativa para que um documento, antes distribuído pelo município gratuitamente, tivesse um aumento de R$ 25,00.

O processo é assinado pelos presidentes da União Norte-riograndense de Estudantes (URNE), União Portiguar dos Estudantes (UPES), Organização Estudantil do Rio Grande do Norte (OERN) e União dos Estudantes do Norte Nodeste (UNEN).

Nenhum comentário: