Pages

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Laboratório da EMPARN leva tecnologia para o agronegócio

O novo laboratório de análises da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), instalado na sede da Estação Experimental do Jiqui, em Parnamirim, continua registrando grande procura, como mostram as estatísticas de 2016: Foram 3.895 amostras, sendo 1.572 de água; 1.632 de solo; 247 de plantas; 414 bactérias e 30 de calcário, analisando diversos parâmetros físicos, químicos e biológicos.

Para 2017, o Gerente do Laboratório da EMPARN, Alfredo Osvaldo Dantas de Azevedo, espera um aumento na demanda, em decorrência do aperfeiçoamento tecnológico dos cultivos agrícolas do estado. No ano passado, o centro de análises teve sua estrutura relocada do prédio da Cidade da Esperança, em Natal, onde estava há cerca de 35 anos, para a nova sede, em Parnamirim, com o objetivo de unificar os serviços prestados pela empresa de pesquisa, além de oferecer um espaço físico mais moderno e novos equipamentos.

O Laboratório é anualmente avaliado nos programas de controle de qualidade vigentes no país. Na ultima avaliação realizada em 2016, o laboratório foi contemplado com três qualificações nos programas PIATV, EPLNA e PAQLF, que certificam que os critérios estabelecidos nos programas de qualidade foram atendidos e que as determinações descritas nos métodos de análises são eficientes e atendem as normas de avaliação. A primeira foi dada através do selo de controle de qualidade do Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal, emitido pela Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz, da USP. A segunda foi concedida pela Embrapa Pecuária Sudeste, com o ensaio de proficiência para laboratórios de nutrição animal. O terceiro programa, avaliado pela Embrapa Solos, provedora do Programa de Análise de Qualidade de Laboratórios de Fertilidade, certificou que o Laboratório da EMPARN atendeu com excelência aos critérios de qualidade de análise de solos, por ter efetuado com exatidão as determinações constantes do Manual de Métodos de Análise de Solos.

“Essas certificações são resultado de um trabalho criterioso. O laboratório está equipado com modernos instrumentos voltados especificamente para cada técnica realizada. A equipe é composta por pesquisadores e auxiliares qualificados e experientes, garantindo o alto padrão dos serviços laboratoriais”, afirma o Gerente do Laboratório da Emparn, Alfredo Osvaldo Dantas de Azevedo.  

SERVIÇOS:

O Laboratório é composto por equipamentos para análises de Águas, Solos, Plantas e Adubos. São realizadas análises em matrizes diversas (águas, efluentes, solos, sedimentos, plantas, rações e adubos) com o objetivo de identificar e interpretar os resultados obtidos para vários fins, como a caracterização necessária ao planejamento ambiental, para o consumo humano, consumo animal, uso agrícola e industrial.

A análise química de água é uma das melhores formas para detecção dos fatores limitantes ao consumo humano (limites de potabilidade) e no desenvolvimento da produção animal e vegetal, atendendo demanda da população da Grande Natal, principalmente com a preocupação da contaminação por nitrato e bactérias existentes nos poços de abastecimento do município, como também em sua caracterização no aspecto do uso agrícola, aqüícola e industrial.

A análise do Solo atende principalmente ao produtor rural, para quem a análise de fertilidade é de extrema importância, pois é a partir dos resultados obtidos que será feita a recomendação da adubação e calagem na área a ser plantada. Por isso, é essencial que os agricultores sempre tenham resultados confiáveis dos laboratórios de fertilidade. O conhecimento das características físicas e hídricas dos solos subsidia o manejo de uso e ocupação das terras, com vistas à produção sustentável de alimentos e à recuperação de áreas degradadas, além de fornecer informações para fins não agrícolas, como o planejamento de rodovias, ferrovias, aterros sanitários e construções. O laboratório de solos está capacitado para realizar análises granulométricas, densidade, condutividade, capacidade de campo, ponto de murcha e dos nutrientes químicos essenciais as plantas (macros e micros).

Já nas análises de tecido vegetal, adubo e rações, são determinados os teores dos macros e micros nutrientes essenciais, bem como dos metais pesados, identificando os níveis adequados e tóxicos. Nas amostras de fertilizantes minerais ou orgânicos e em rochas, são identificados os diversos elementos químicos.

Nenhum comentário: